6 de dezembro de 2006

Quero ser um televisor

Uma professora pediu aos alunos que fizessem uma redacção e que nela relatassem o que gostavam que Deus fizesse para os ajudar a ser felizes. À noite, ao corrigir as redacções, ela deparou-se com uma que a deixou emocionada. O marido, ao entrar perguntou preocupado: “O que aconteceu?!". “Olha: lê!” respondeu ela, estendendo-lhe a redacção do aluno.
Dizia assim:

Senhor, esta noite peço-te uma coisa especial: transforma-me num televisor. Quero ocupar o lugar dele. Viver como vive a televisão da minha casa. Ter um lugar especial para mim, reunir a minha família ao meu redor. Ser levado a sério quando falo, ouvirem-me até ao fim… como acontece com a televisão. Quero ser o centro das atenções e ser ouvido sem interrupções e sem perguntas, como com a televisão. Ter a companhia do meu Pai quando chega a casa, mesmo estando cansado. Que eu seja motivo de descanso e de alegria para ele. Que a minha Mãe me procure quando estiver sozinha e aborrecida, em vez de me ignorar. Talvez a possa ajudar fazendo-lhe companhia. E quero também que os meus irmãos briguem para poderem estar comigo.

Gostava de sentir que a minha família deixa tudo de lado, de vez em quando, para passar alguns momentos comigo. E que eu possa divertir a todos. Senhor, não te peço muito. Só quero ser como um televisor”.

Ao terminar, o marido da professora desabafou: “Meu Deus, coitada dessa criança! Que falta de cuidado, a desses pais”. “Pois… “ - completou a professora – “essa criança é o nosso filho mais novo”.

(in: Revista Cruzada, Janeiro 2007)