30 de novembro de 2006

11 de Fevereiro...

Um Não pode transparecer algo negativo, no entanto existem situações que ao dizer Não dá-se destaque aos verdadeiros valores. Nesta data o Não valorizará a Dignidade Humana!



29 de novembro de 2006

Ter ou ser comunidade?


Este foi o tema do encontro de formação para os religiosos que se encontram no juniorado. Aconteceu no passado fim de semana em Fátima.
Fica a imagem de um grupo de pessoas, jovens, que desejam aprender e partilhar sobre o viver em comunidade. Este é um dos grandes desafios à vida religiosa e porque não dizer, um dos grandes desafios à sociedade, sobretudo num tempo em que o individualismo impera.
Uma outra imagem que fica, é a de uma geração que busca o Senhor. É aliás, esta busca, o que nos une. Esta busca que, é também um exercício comunitário.
A todos um grande abraço!

28 de novembro de 2006

Acreditar




Ando a ler um livro de Anthony de Mello, chamado “Contacto com Deus”. Ainda não passei das primeiras 5 páginas. Não passei nem quero passar, enquanto não interiorizar um pouco melhor a mensagem que está nelas.


“Cada pessoa recebe de Deus tanto quanto espera d’Ele!”

É uma frase de São João da Cruz, que foi um dos maiores místicos da história da Igreja, e que, por isso, sabe bem o que significa receber… Quando li isto não pude deixar de ficar admirado. Parece tão simples, e, no entanto é trabalho para a vida inteira. Esperar de Deus! Dizer a Deus: “_Acredito que me amas e me darás aquilo que mais preciso!”

Se lembrarmos os evangelhos encontramos um Jesus que convida a pedir: “Se até vós, que sois maus, sabeis dar, quanto mais o vosso Pai vos dará o Espírito Santo…”

Acredito mesmo nestas palavras?

Não quero alongar-me. Quero apenas partilhar o sentimento que tenho de que uma fé assim pode fazer toda a diferença e transformar a nossa vida e a vida do mundo. Acredito que aquele que recebe o Espírito é alguém que pode fazer milagres. Sim, MILAGRES! Milagres que dão alegria e sentido de vida, milagres que curam as feridas dos corações, milagres que fazem crescer a sério…

Nos últimos dias tenho desejado uma fé assim, e quero aqui agradecer a Deus por me fazer acreditar que isso é possível.

24 de novembro de 2006

Do abismo à liberdade



Muitas vezes a vida parece perder toda a sua pujança. A alegria de outrora não passa de uma sombra que nos acompanha no quotidiano. Tudo parece passar bem perto da nossa mão, mas deixamos sempre fugir. Faltam reflexos, falta rapidez, falta arriscar, falta esperança...
Que posso fazer quando um abismo interminável de questões me deixa completamente desarmado perante a minha própria existência? Que fazer nas alturas de dor profunda? O caminho é a liberdade! Só ela nos pode dar respostas, nos pode devolver a serenidade desejada, nos deixará percorrer a estrada da alegria.
Essa liberdade podemos encontrá-la em Jesus, que foi homem como nós e também ele pode sentir na sua pele as mesmas dificuldades, os mesmos questionamentos que se abatem sobre nós. Ele soube encontrar a resposta. Porque é que em determinadas alturas parece, essa resposta, estar tão longe de nós?
Confesso que me sinto frágil demais para responder, mas posso encontrar algo de mais fundo nessa experiência: não desistir de caminhar.

Quero muito lembrar aqui hoje as pessoas que, neste preciso momento sofrem os terrores de uma vida solitária, de um silêncio mal gerido, de uma dificuldade sem esperança. A vida tem muito mais alegria, tem muito mais sentido que o que os nossos olhos são capazes de alcançar. Só é preciso que o queiramos ver...

21 de novembro de 2006


Gambozinos*
Receita para uma Tarde Fixe

40 gambozinos tamanho S
20 gambozinos tamanho XL

- 500 g gastas em aplausos

- 500 g gastas a cantar

2 sandes

1 copo de leite

No último Domingo o Gonçalo, o Francisco e o Carlos participaram na receita e podem provar que resulta. Foi mesmo uma tarde muita Fixe.

*www.gambozinos.org

A paz que esperamos.


A paz sem vencedor e sem vencidos

Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
A paz sem vencedor e sem vencidos
Que o tempo que nos deste seja um novo
Recomeço de esperança e de justiça.
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos

Erguei o nosso ser à transparência
Para podermos ler melhor a vida
Para entendermos vosso mandamento
Para que venha a nós o vosso reino
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos

Fazei Senhor que a paz seja de todos
Dai-nos a paz que nasce da verdade
Dai-nos a paz que nasce da justiça
Dai-nos a paz chamada liberdade
Dai-nos Senhor paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos

Sophia de Mello Breyner Andresen

12 de novembro de 2006

Ser Jesuíta


O que é ser Jesuíta?
Reconhecer que se é pecador e, no entanto, se é chamado a ser companheiro de Jesus, como foi Inácio. (Cong. Geral 32, Dec. 2, 1).

A resposta a esta questão fala muito da nossa experiência pessoal, neste caso da minha, como Jesuíta e deve ir sempre ao encontro da relação com a pessoa de Jesus.
Acredito que ser Jesuíta é bem mais do que um passo dado no sentido de me inserir dentro da Companhia de Jesus. É bem mais do que um s.j. depois do nome. É ainda mais do que dizer aos outros, com orgulho e satisfação, que gosto de ser Jesuíta.
Ser Jesuíta é uma luta diária, um desafio constante entre o eu que vive a tentar impor-se dentro de mim e o Jesus que todos os dias nasce e me interpela a ser diferente, a ser mais como Ele foi, como Ele é...
Confesso que às vezes não sou Jesuíta ou não sei ser Jesuíta, não sou digno de me dizer companheiro desse Jesus. É preciso saber sê-lo, querer sê-lo todos os dias.

Bem, tudo isto só para informar que os "bloguistas" que vão escrever nesta página fazem parte do grupo dos s.j., membros de uma comunidade que leva o nome de outro grande s.j. - Pedro Arrupe- e que pretende, como o quereria qualquer s.j., fazer também dos outros companheiros de Jesus.



11 de novembro de 2006

Um amor de Blog...


"Ama e faz o que quiseres." Aqui está uma frase bastante interessante proferida há uns valentes anos atrás por um senhor de seu nome Agostinho, que mais tarde a Igreja havia de considerar um dos maiores teólogos da sua história.
Mas afinal o que vem a ser esta história do amor? Parece tão estranho pensar naquilo que tantas vezes nos aparece como óbvio...
Como definiria o amor? O amor é... tudo! Poderá fazer sentido a nossa existência sem amor? Sócrates, na antiga Grécia, referia-se ao amor como a única coisa que podia entender. São João, o dilecto amigo de Jesus, diz-nos que a melhor definição de Deus é amor. E da nossa experiência pessoal podemos dizer imensa coisa sobre o amor. Talvez às vezes nos confundamos e façamos do amor aquilo que não é. Acredito, todavia, que a nossa própria existência é expressão de amor.
Não sei se este blog vai algum dia dar uma resposta clara a esta questão do amor. Mas prometo que vamos tentar, com a nossa vida, com a nossa partilha sincera, com a nossa visão do mundo, e principalmente com a nossa fé n'Aquele que, para nós, conseguiu dar a resposta mais clara: Jesus Cristo!