4 de janeiro de 2007

Um amanhã preocupado!



Deixai que o amanhã se preocupe com o amanhã
. Assim falou um dia Jesus Cristo quando confrontado com as inúmeras preocupações que atormentam constantemente os homens e os deixam inquietos e angustiados. Porque será que temos esta evidente tendência de querermos estar onde não estamos a fazer aquilo que ainda não fizemos, quando estamos onde estamos a fazer o que estamos a fazer?
Pensando racionalmente, é natural que cheguemos à conclusão de que a preocupação com o que virá no dia a seguir nos permite ser mais previdentes e mais responsáveis com as nossas obrigações. Estou a lembrar-me do aluno que prepara os seus exames com antecedência ou do engenheiro que faz contas a todas as possibilidades de peso no tabuleiro de uma ponte e que analisa quantos anos durará resistente o betão. É óbvio que Jesus Cristo não é o responsável pelo insucesso escolar ou pela queda de pontes. Certamente que esse amanhã preocupado de que fala é um alerta noutro sentido. Uma coisa é ser consciente e aplicado nos papéis que assumimos no nosso quotidiano, outra bem diferente é deixarmos que uma onda de medos em relação ao futuro não permitam que desfrutemos do aqui e agora que nos é dado a viver. Até porque esse amanhã pode nem sequer chegar...
Mas, pondo de lado os fatalismos, consideremos a quantidade de momentos na nossa vida que deixamos de aproveitar porque estamos com a cabeça no jantar de logo mais, na festa que vamos ter no fim-de-semana ou nas férias do distante Agosto. Vivemos sempre atrás de momentos que são meras possibilidades, sem percebermos que a maior possibilidade de alegria pode estar mesmo agora defronte de mim. Isso causa um tão grande desgaste que nos traz imensa tensão interior que conduz à falta de serenidade e mesmo à ausência de alegria.
Vale a pena mudar de atitude, principalmente quando cá dentro começa a gritar uma vozinha de descontentamento que nos faz descentrar do que estamos a fazer nesse momento.
Saber tirar partido do que vivemos todos os dias é um dos segredos para ser mais feliz. Muitas vezes o caminho que nos aparece como mais fácil é mudar o exterior, quando tantas vezes a solução está em mudar a nossa atitude perante o concreto do dia-a-dia. Penso agora nos casamentos com um final prematuro, nas oportunidades de trabalho perdidas, nas discussões que surgem pelo acumular de tensão... Sim, até posso apreciar a conversa da vizinha chata que encontro ao descer as escadas pela manhã. Até posso achar interessante aquela aula que me custa tanto a passar. Posso mesmo tirar proveito daquela tarefa aborrecida em que só me apetece que o tempo voe...
Acho que era disto que Jesus falava. Partirmos ao encontro da alegria que pode estar escondida aonde menos esperamos. Basta querermos!

Por fim deixo esta sábia frase de Rilke: "Se o teu quotidiano te parece pobre, não te deves queixar dele mas de ti mesmo, fraco demais para dele extraíres toda a riqueza."