12 de julho de 2007

Partilhas reflectidas...






"Rabi onde moras?" Ele respondeu: "Vem e verás!" (Jo 1,38-39)

A busca... O desejo de encontrar o caminho, uma morada. O desejo de encontrarmos quem somos e o que fazemos diante do Mestre. E é ver, ver não só com os olhos físicos, mas com os do coração. Aí encontramos o outro, aquele a quem nos é pedida a entrega. Para e pelo outro. Levantar o cálice e a patena, com Aquele que ali está Consagrado e dizer por, com e n'Ele! Quem é Ele? Não estará no rosto do outro que grita por nós? Acredito que sim... Mas como é que posso dar se eu próprio preciso de receber? Vem e vê... Tal como estás, tal como és... Se te chamo é porque acredito em ti. O mundo em que nos rodeamos pede-nos perfeição a toda a prova, além do mais solicita uma vida com tudo arrumado para se poder avançar... Pede-nos ainda que seja tudo rápido, rápido e ainda mais rápido. Como é que é possível? O ver tem de ser com calma. A descoberta pode ser instantânea, mas será saboreada? Avançar a caminho do futuro, mesmo na dádiva ao outro exige uma saída, não uma entrada.


Quem é o outro? Quem grita por mim? E não serei eu também outro? As relações estabelecem-se, os laços criam-se e construímos o Reino, na recíproca recepção e dádiva, numa linguagem nova, na linguagem do Amor. Que não tem defesas, que não arma ninguém. De facto, há relações com nós, atadas com o ramo da complicação. Curiosamente tenho-me libertado desses nós, à medida que vou integrando quem sou. Sem medos, nem vergonhas, numa liberdade e verdade que tenho alcançado neste caminho. E os outros têm sido importantes, muito importantes. Muitas vezes ainda fico perdido, quando estou diante de pessoas de quem não gosto. Surge logo o moralismo... Não posso! Mas, calma, não sou Deus, pretendo ser... Vou sendo Cristão, aos pouquinhos, porque tento ir vendo onde é que Ele mora. E nesse, de quem não gosto, tento renovar o olhar, tento ver aquela relação individual que tem com Ele. O Amar não é o gostar. O Gostar está preso à superficialidade do imediato, o Amar está integrado nas profundezas do ser... O Amar vai mais longe, o Amar dá a vida. Deus é Amor, Deus dá a Vida! Daí, não sou Deus, não consigo dar a Vida na totalidade... Mas espero, espero um dia, porque vou vendo e vou sendo aos poucos um com Ele, um com os Outros que também são Ele. O corpo que se faz carne, a Carne que se transfigura em Corpo! O corpo perde-se para a carne, a Carne perde-se e estabiliza-se no Corpo!

Amar, a fusão do perder para encontrar! Eu acredito que posso encontrar, deixando de lado o moralismo e vendo que sou criatura amada para amar sem medos, seja quem for, mesmo que custe...