12 de novembro de 2007

o sorriso do P. Arrupe


Do P. Arrupe já muito se disse e escreveu e continuará a escrever. Tendo-o conhecido pessoalmente em Roma, durante os meus estudos de Teologia, temo que nos esqueçamos de referir o seu belo sorriso que revelava e comunicava uma grande serenidade. Sabendo nós que ele foi Superior Geral da Companhia de Jesus numa época particularmente difícil, e que as suas posições proféticas lhe traziam muitas críticas de autoridades da Igreja, juntamente com muitos louvores de quem o ouvia e conhecia de perto, aquele seu sorriso só poderia significar que ele estava em Deus e era do ponto de vista de Deus que avaliava as pessoas e as situações. Também esta sua maneira de estar na vida pode ser para nós uma lição que nos reconduz ao essencial. Tal como a irmã de Marta, o P. Arrupe escolheu a melhor parte, e por isso soube evitar as inquietações e agitações pelas quais tantos de nós ainda nos deixamos dominar.

P. Alfredo Dinis,sj