8 de novembro de 2007

Outro "louco" como Tu







Senhor, dá-me o teu amor, que me faça perder a minha "prudência humana" e me leve a arriscar a dar o salto, como S. Pedro, para ir para Ti: não me afundarei enquanto confiar em Ti.

Não quereria ouvir: "Homem de pouca fé, porque duvidaste?". Quantos motivos teológicos, ascéticos, de prudência humana, aparecem no meu espírito e tentam demonstrar-me "sob aparência de bem" com muitas razões humana, que o que Tu me inspiras e pedes é imprudente: uma loucura.

Tu, Senhor, segundo isso, foste "o mais louco dos homens", pois inventaste essa insensatez da cruz.

Senhor! Ensina-me que essa insensatez é a tua prudência, e dá-me tal amor à tua pessoa para que seja eu também outro louco como Tu.

P. Pedro Arrupe,sj
Encontro com provinciais, México D. F., em Novembro de 1972