9 de novembro de 2007

Um novo caminho


Madrid, início dos anos anos 20, Pedro Arrupe é um estudante de medicina aplicado, vai com certeza tornar-se um grande médico. No seu tempo livre começa a visitar os bairros pobres dos subúrbios da capital espanhola...

No meio da vida universitária, Pedro interroga-se. "Comecei a perguntar-me cada vez com mais frequência: Para que vim ao mundo? Para viver uns anos num anonimato estéril e, depois, enfrentar a outra vida sem ter feito nada que valha a pena? Aquelas pobres crianças, marcadas por uma vida dura, abriram-me os olhos. Fizeram-me pensar. Despertaram em mim a ânsia das grandes aspirações, que até então tinha arrastado, perdido na corrente da inconsciência, e alertaram-me para o caminho descuidado da minha vulgaridade. Corria o risco de viver a mocidade sem elevação, mas porque Ele quis, consegui deter a marcha e escolher novos caminhos."

[contado por P. Lamet, em Pedro Arrupe, Ed. Tenacitas 2004]


A vida dste homem deixa-me a pensar também, o que faço com a minha vida? Lá no fundo, sei que ela só vale a pena ser vivida se for para os outros, se for para ser entregue, nas grandes causas e nas pequenas coisas do dia-a-dia... Mas estarei eu pronto, em cada dia, em cada manhã, a escolher este caminho de novidade?

Que fiz eu por Cristo? Que faço eu por Cristo? Que farei eu por Cristo?
S. Inácio de Loyola