2 de julho de 2008

Filosofia: o ensaio final...





[Rota da Seda - Rui Matos in: olhares.com]

Uma luta, uma amizade sofrida que se foi desenvolvendo, do caos para o cosmos, de alguma forma ainda caótico. Não resolvi nem parte, mas também não quero resolver, apenas apreender o que cada canto da vida pode revelar…

3! Três anos de conversão, de rasgos, de transfiguração, de renovação de olhar, de apurar a escuta, de descoberta, de (des) encontros, de partidas e de chegadas a conclusões que apontam para o mistério do tudo e do Todo...

…levando-me a modificar muito do meu pensar…

… e do meu rezar.

Perdi alguma da ingenuidade que fecha, purificando aquela que abre, sentindo-me mais humilde e também mais prudente. Depois de navegar, num primeiro ano, meio sem rumo em busca dos alicerces nos novos conceitos que apareciam, encontro o filão que me caracteriza, nesta entrega que desejo ser mais e em crescendo.

O Amor acontece em mim. Através da sabedoria do Homem – que desde há tempos designo por ser humano no respeito pela inclusividade – chego ao Amor da Sabedoria do Alto.

Nestes anos mergulhado na racionalidade, quase fria, do conhecimento, não me afundei na argumentação que tudo põe em causa e que, supostamente, tudo explica. Basta-me pensar: por mais razão que a fé possa ter, será sempre um mistério… Talvez pelo silêncio do limite que quer ser esquecido, mas que convivido tem mais força que muita capacidade.

De facto, apercebi-me do que sou capaz, por estar envolvido no corpo que conversa através da carne que grita, chama, sente, experimenta, que se dá desde o princípio ao fim dos tempos. Mas também me apercebi da minha fraqueza, que me ajuda a ir mais fundo na minha relação com o outro que surge e me leva a escutá-lo…

… sem rotular nem catalogar, numa imediatez como se tudo tivesse dito e não interessasse escutar, até mesmo ver, um outro lado diferente, por ouvidos e olhos que trazem consigo outra narrativa, outra história.

Sinto-me envolvido pela amizade a esta Sabedoria, particular e universal. Sei pouco, talvez cada vez menos, mas saboreio muito e mais. O meu pensamento já não se fixa, quer-se espalhar por todos os cantos em busca do segredo sagrado… O medo dissipa-se, perde-se, diante da denuncia da injustiça e da perversidade, porque fui ganhando uma nova escuta em direcção ao mundo que não está fechado num recanto que se diz detentor da verdade…

… Ah! A verdade… O que é a verdade?, na famosa pergunta que me abre também para a caminhada. Sim, como muitas vezes afirmei, sou em caminho… Neste momento, para mim, a verdade acontece neste percurso que leva à fusão, em que as linguagens que falam do humano, na sua variedade fundidas, apontam, rumo no limite de cada uma, para o infinito…

… do qual somos participantes, porque o Verbo ao se fazer Carne assume a humanidade por Amor. E nesse Amor o ser vivente, no espaço e no tempo, incorpora-se…

Então, mesmo na confusão dos dias que correm por esse mundo fora vivo sem desespero, escutando a melodia, mais que renovada, ressuscitada da morte geradora de vida, que me permite pensar, coreografar e dançar, encarnando também em mim, todos os grãos – prontos a rebentar no seu fruto – por Ti

Consagrados… Também aqui, neste ensaio final [apenas por uns tempos]


2 comentários:

Anónimo disse...

Bastava ler-te aqui, meu amigo, para perceber(-te) (n)essa caminhada - arriscada a maior parte das vezes - que não esperaste, como dizias, fácil. Mas ouvir-te e ver-te nela é, então, "enGraçado" (na acepção para que me chamaste a atenção), porque nos motiva a sermos, também como a ti, mais no outro, sem bloqueios ou preconceitos!
E, no harmónico dessa melodia que nos vais "tocando", sentimos o calor do Teu AMOR ao Divino, o mesmo que a Nós.
Parabéns, amigo!
Abraço forte,
M.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,