12 de dezembro de 2008

Colóquio: Porquê dilemas éticos se temos neurónios?

Realiza-se no próximo sábado na Faculdade de Filosofia de Braga um Colóquio sobre o tema ‘Porquê dilemas éticos se temos neurónios?’ Seremos nós determinados neuralmente nas decisões éticas que tomamos, na resolução de dilemas éticos, de tal modo que deixe de fazer sentido falar em liberdade? A esta pergunta. Há quem responda ‘sim’ e quem responda ‘não’. Com que argumentos? O Colóquio pretende esclarecer estas questões.
Participam: Sara Fernandes (UCP, Lisboa), “Prisioneiros do próprio cérebro ou livres na vontade?”; José António Alves (UCP, Braga), “A ilusão de liberdade”; Alfredo Dinis (UCP, Braga), “As bases neurobiológicas da ética em António Damásio”; Manuel Curado (UMinho), “A vida perfeita: sem ética e sem neurónios”; Judite Zamith Cruz (UMinho), “Constrangimentos à plasticidade estrutural na relação humana: mudança no eu e nos valores”; José Paulo Santos (ISMAI), “Neuromarketing: emoções e relevância social nos cérebros dos consumidores”; Ana Morais Santos (UBI), “Fundamentos naturais da ética: onde está o contra-senso?”

O Colóquio é organizado pela Sociedade Portuguesa de Ciências Cognitivas em colaboração com a Faculdade de Filosofia.