5 de janeiro de 2009

uma passagem de ano para tomar consciência


A Casa de Soutelo chamou alguns "filósofos" cá de casa para ajudar a preparar um proposta alternativa para os últimos 3 dias do ano, à imagem do que já se fez no ano passado...

Fez-se alguma divulgação e apareceu, em Soutelo, gente de norte a sul do país que, fartinha das passagem de ano bombásticas (que são normalmente um flop...), queria "fechar as contas" ao ano e "preparar os cadernos" para a temporada seguinte, num registo diferente.
Passámos os dias seguindo o "exame para tomar consciência" que é como que um resumo da Espiritualidade Inaciana. Esta dinâmica, dum examinar agradecido de cada dia, leva-nos a olhar para a acção de Deus - no mundo e na nossa história pessoal - com muito maior sensibilidade, como quem repara numa relação de amizade. Aplicámos os sentidos à Natureza, visitámos a pintura de Edward Hopper, descobrirmos a arquitectura ética de Lacaton & Vassal e picámo-nos a explorar cactos de todo o mundo; tudo porque o que sacia o homem não é o muito saber mas o saborear e gostar as coisas internamente.

Quando conseguimos dar esse salto (dos conteúdos exteriores a nós para uma admiração que nos implica e modifica) deixamos de fazer uma oração "moralista" de conformação (inaceitável) com um punhado de regras. Passamos então a ser capazes de discernir (separar) o que nos conduz realmente no nosso projecto de felicidade do que é desperdício de tempo e de vida.

A 00h00, propriamente dita, não deve ter sido assim tão diferente de todas as outras pelo país fora

Os dias anteriores deram-nos, ou refrescaram-nos, uma ferramenta para, durante "o ano novo", melhor seguirmos para o fim para que fomos criados: a mais plena alegria.