31 de março de 2009

Bofes e arabófobos


"Qualquer embirração que não nos afecte tem graça, mas as únicas que fazem rir são as injustas. A rainha de todas é o pó que muitos muçulmanos têm à Dinamarca e a tudo o que é dinamarquês.
Ontem o PÚBLICO noticiava que há países muçulmanos que pediram à Turquia para vetar o nome de Anders Fogh Rasmussen para secretário-geral da NATO. Por ser dinamarquês e por não ter pedido desculpa por uns cartoons que não desenhou nem publicou - e que saíram num jornal que se farta de publicar cartoons a gozar com o próprio Rasmussen e com toda a gente que calha.
Os (ditadores religiosos dos) países islâmicos mais frenéticos podiam embirrar, com razão, com quase todos os outros países da Europa e do mundo livre em geral. Aí encontrariam com facilidade o preconceito anti-islâmico e a arabofobia contra o qual estão sempre a protestar.
Mas a Dinamarca? Os dinamarqueses? Logo o país simultaneamente mais aberto, avançado e simpático da Europa? É uma Itália sem preconceitos; uma Inglaterra sem complexos; uma Escandinávia sem gelos ou distâncias. É até um Portugal mais feliz, frio, prático, inteligente e com mais sentido de humor. Ou, pensando melhor, Portugal nenhum.
Ó países muçulmanos mais de atar o burro e agitar o punho: façam lá um favor a vocês próprios e escolham outro país europeu. Qualquer um é melhor, para efeitos de fazer chegar a mostarda ao nariz, do que a Dinamarca."

__________________________

Miguel Esteves Cardoso, In: Jornal o Público, 30 de Março de 2009, p.31.

8 comentários:

Nuno disse...

Eu, por acaso, até tenho dúvidas se os cartoons dinamarqueses são aceitáveis. Não haverá limites? Não se podem ofender as pessoas com esses desenhos?

Vai passar um largo período até que eu volte a comprar o Expresso (é o meu protesto contra a falta de respeito que senti...).

Ricardo disse...

Caro Nuno

Vendo os cartoons dinamarqueses não fiquei com a sensação que tenham sido abusivos. Agora a questão está em saber até que ponto as pessoas são susceptíveis.
Os muçulmanos que se indignaram, não são um modelo de tolerância. No mundo árabe também à cartoons só que estes são dirigidos aos judeus(usualmente cartoons a brincar com o holocausto) e aos Norte-Americanos. E no entanto não olham para os seus telhados de vidro.

Contudo as manifestações islâmicas são agressivas, pois como se deve recordar, ouve assaltos a embaixadas, boicotes e aqueles espectáculos televisivos de queimar bandeiras.
Estes muçulmanos que se manifestaram, são muito voláteis e além do mais, não sofrem de qualquer problema de memória, pois decorrido todo este tempo foram pedir à Turquia para vetarem o nome de Anders Fogh Rasmussen.

Recentemente no jornal o Expresso, vinha um cartoon a caricaturar o Papa Bento XVI sobre a questão do preservativo, não me senti enquanto católico ofendido. Não estranharia ver bandeiras portuguesas a serem queimadas se o mesmo cartoon tivesse Maomé em vez da figura de Bento XVI.

Agora difícil é sempre saber qual a fronteira entre a liberdade artística e de expressão, face ao respeito e ao bom nome das pessoas e instituições.

Mas como também deve intuir, torna-se difícil medir quando alguém revoltado procura um qualquer motivo para implodir.

Cordiais Saudações
Ricardo

Nuno disse...

O comunicar tem destas coisas... Compreendemos o que nos querem dizer? Aqueles com quem comunicamos captam o que lhes dizemos?...
Por estas e por outras devemos ter cuidado com o que dizemos e tentar perceber o que nos dizem.
As confusões, mais ou menos pacíficas, aparecem...

Ricardo disse...

Caro Nuno

Não me parece que esta questão se resuma a um problema de comunicação entre emissor e receptor.

Volto a repetir-me: "
Mas como também deve intuir, torna-se difícil medir quando alguém revoltado procura um qualquer motivo para implodir."

Cordiais Saudações
Ricardo

Nuno disse...

Os cartoons podem magoar as pessoas. Como as palavras. Temos o direito de ferir os outros? Que os irmãos se matam é uma história velha, da Bíblia. O que me parece interessante na civilização humana, especialmente de há 2009 anos para cá, é a ideia de nos respeitarmos cada vez mais.

Quando alguém, com um cartoon ou uma frase magoa alguém, não está a contribuir para um melhor entendimento entre todos. Pelo contrário.

n disse...

O que faria Cristo se lhe fizessem um cartoon altamente ofensivo?

Ricardo disse...

Já lhe fizeram tantos, lol.

Até o crucificaram!

Cordiais Saudações!

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,