3 de abril de 2009

Casamento de homossexuais: direito ou equívoco?


‘Casamento de homossexuais: direito ou equívoco?’ – foi este o mote da discussão que teve lugar no ‘Puzzle Bar’ na passada terça-feira, dia 31, pelas 21h15. O encontro foi organizado pelo Centro Académico de Braga (CAB), enquadrado na actividade ‘Bate Papo Universitário’.
Os oradores convidados foram dois académicos da Universidade do Minho: Ana Brandão, socióloga, e Carlos Abreu Amorim, advogado e docente na mesma universidade.
Segundo Ana Brandão “a questão geracional e a educação tendem a dissipar os preconceitos e são propícias a uma maior abertura”. É exemplo disto a atitude de grande parte dos universitários, refere a socióloga com contentamento. “As mulheres tendem a ter uma maior aceitabilidade destas mudanças culturais”, acrescenta.
Carlos Amorim, contrariamente, fala de modismos e discursos acéfalos típicos do ambiente universitário e da vontade de pertencer a um todo. Em primeiro lugar, alerta para a forma como muitas vezes a questão é colocada: “passa-se a ideia que de um lado estão os preconceituosos e, do outro, os tolerantes e pós-modernos – não podemos colocar a questão nestes termos”, esclarece. “O casamento é um contracto (como a compra de uma propriedade e o aluguer de uma casa) com especificidades e a uma essência própria. O casamento como contracto será sempre uma união entre pessoas de diferentes sexos e não algo que se altere em função de uma moda”, explica o advogado.
A hipocrisia existe, segundo o Carlos Amorim, “quando se negam direitos patrimoniais, médicos e jurídicos aos homossexuais”. “A questão da adopção é exemplo disso, uma vez que vai contra o artigo 13º da Constituição da República Portuguesa, segundo o qual nenhuma pessoa pode ser discriminada em virtude da sua orientação sexual”, explica o advogado.

Uma questão política

Carlos Amorim fala ainda do jogo de interesses da agenda política que torna esta discussão mediática quando é conveniente. “A questão é intrinsecamente política: as associações e comunidades de gays e lésbicas têm sabido agir de forma estratégica ao saberem aproveitar as leis democráticas e o debate político para introduzirem a questão”. Referiu o caso de Espanha, em que “o primeiro-ministro Zapatero introduz a questão do casamento homossexual quando quer desviar as atenções da direita de Mariano Rajoy dos problemas económicos, e consegue-o”.
No contexto da política portuguesa, outro dado curioso para o advogado: no dia 10 de Outubro de 2008, o BE apresentou na Assembleia da República uma proposta de lei sobre o casamento homossexual, o PS rejeitou-a. Três meses depois, no contexto de uma grave crise económica e no emergir de casos polémicos que põe em causa a governação do país, o PS lança a mesma proposta para cima da mesa. “Aos políticos não interessa minimamente a questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo, o que lhes interessa é a propaganda, o modismo e a estratégia política”, diz convictamente o advogado Carlos Amorim.
A socióloga Ana Brandão acredita que “o acesso ao casamento entre pessoas do mesmo sexo é uma questão de tempo e, depois, virá a questão da adopção”. “Tratando-se de um sistema de valores e crenças representativo de uma sociedade num determinado tempo, a legislação pode ser alterada se for necessário”, explica.
A Alemanha, o Reino Unido, a Itália e a Suécia são exemplos de países que, não permitindo o casamento entre pessoas do mesmo sexo, permitem a adopção por casais de gays e lésbicas.
“Na verdade, os gays e, mais facilmente, as lésbicas podem ter filhos biológicos”, lembra a investigadora Ana Brandão, “há formas de passar pela fechadura das leis”. “O Direito é uma força simbólica, mas abrir a porta ao casamento entre pessoas do mesmo sexo era esgotar o casamento enquanto tal”, concluiu Carlos Amorim.

__________________________

Texto da autoria da Organização do Bate-Pape Universitário, com a respectiva autorização.

  1. http://www.cab.com.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=248&Itemid=82

3 comentários:

Gonçalo disse...

A Suécia vai deixar de ser um "exemplo de país que, não permitindo o casamento entre pessoas do mesmo sexo, permite a adopção por casais de gays e lésbicas". A partir de 1 de Maio torna-se o 7º país com casamento civil entre pessoas do mesmo sexo e no 1º país com casamento religioso entre pessoas do mesmo sexo.

Cumprimentos

Anónimo disse...

expect Take a piece of me

Anónimo disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,