1 de abril de 2010

mexer nos pés doutra pessoa é nojento...



Uhhh, mexer nos pés doutra pessoa é nojento!!!







Há alguns dias ouvi a Ana dizer isto. Depois ainda acrescentou:
Os pés são aquela parte do corpo que anda lá em baixo, mesmo perto do chão… alguns cheiram a chulé, outros têm calosidades, outros têm cenas nas unhas, … Uhhh, que nojo!!! Pior: quando alguém anda de Havainas - ficam mesmo pretos! Cheiro, cor, forma, unhas, ... tudo nos pés é nojento!



Mas, hoje, nas igrejas de todo o mundo os padres vão lavar os pés às pessoas que se sentarem nas primeiras filas (por isso, Ana e todas miúdas com nojo dos pés: sentem-se nas filas de trás...)
É que os católicos acham que ter um gesto de serviço pode ser um gesto de amor; mesmo que esse gesto seja uma cena nojenta como lavar os pés alguém.




Quando penso em gestos embaraçosos por amor, lembro-me logo daqueles gajos que se humilham à porta do aeroporto a acenar por alguém que chega, só porque querem que ele saiba que é importante para eles; e que eles até são capazes de fazer aquela figura de parvos só para que esse tal tipo que está a chegar, saiba mesmo que eles o querem bem e que o vieram esperar, gastando do tempo deles, mas com imensa alegria...


Quando disse isto à Ana, ela respondeu-me:«Eu percebo, mas acho que não era preciso descer tão baixo, bastava dizer ao outro: Tu és importante para mim
O problema da resposta da Ana é que se vivêssemos apenas a dizer, sem fazer gestos que dêem corpo ao que dizemos, também ninguém levaria a namorada a jantar fora, ou lhe daria um beijo! Porquê fazer isso em vez de dizer-lhe que ela é importante para nós? - Todos sabemos bem o porquê...

Como seres humanos, que somos, nós precisamos de gestos. Nós não vivemos só de dizer. Até porque há demasiada diferença entre: 1) comer um bom almoço; e 2) dizer "bom almoço"...
Além do gozo que nos dão, os nossos gestos também servem para tomarmos consciência do que dizemos.
Qualquer miúda distingue facilmente o dizer «Eu gosto do Tó Zé» e o «dar um beijo ao Tó Zé». São coisas muitos diferentes! Um gesto compromete muito mais as duas pessoas que se encontram nesse beijo, ou nesse lava pés, do que uma boca para o ar, mesmo que seja uma boca sincera.



Encarnar, dar corpo ao que sentimos, dar gestos ao que queremos dizer, é algo central nas nossas relações.
Os católicos vivem tentando servir cada pessoa com quem se vão cruzando. O lava pés é um gesto para encarnar esse dizer num gesto muito concreto, que nos compromete a continuar a tentar pôr os outros em primeiro.

2 comentários:

Bruna Simões Pereira disse...

Obrigada Manel!

Anónimo disse...

Eu também acho nojento. Acho horrivel pés e mexer nos pés dos outros. Eu mexo nos meus para os lavar, cortar unhas, ou esfoliante ou creme(porque pratico desporto) etc e já chega. Curiosamente nao tenho nojo dos pés do meu cão, mas das pessoas tenho. Por mais lavados que estejam, nao gosto da a forma, do aspecto. Eu nem uso chinleos nem sandalias, sempre sapatos fechados.. Acredito que haja quem não ache nojento,e respeito. Mas nao me obriguem a achar o mesmo, por favor. Bem haja, fiquem bem. Silvia