13 de novembro de 2010

Estanislau Kostka: integridade e exigência interior

«Ao dar-nos, como nos deu, o seu Filho, que é a sua Palavra – e não tem outra – (Deus) disse-nos tudo ao mesmo tempo e de uma só vez nesta Palavra única e já nada mais tem para dizer. [...] Porque o que antes disse parcialmente pelos profetas, revelou-o totalmente, dando-nos o Todo que é o seu Filho. E por isso, quem agora quisesse consultar a Deus ou pedir-Lhe alguma visão ou revelação, não só cometeria um disparate, mas faria agravo a Deus, por não pôr os olhos totalmente em Cristo e buscar fora d'Ele outra realidade ou novidade».

São João da Cruz, Subida del monte Carmelo 2, 22, 3-5


Hoje a Companhia de Jesus comemora a vida de S. Estanislau Kostka.
Viveu no século XVI, nasceu na Polónia e foi a pé até Roma onde entrou na Companhia apesar da enorme oposição da sua família, em particular de um seu irmão.
Morreu muito novo, aos 18 anos, durante os primeiros tempos da formação jesuítica, donde se depreende que não pode ter sido homem de grande impacto apostólico nem pode ter sido um grande teólogo, mas é santo, porque viveu a sua vida à imagem do modelo maior: Jesus.

O Pai revelou tudo em Jesus, como nos diz S. João da Cruz, agora basta-nos reparar no seu exemplo e usa-lo como modelo. Não é para imitar acriticamente ninguém, tal seria infantil, desresponsabilizante e infrutífero. Trata-se antes de escolher o projecto de felicidade que Jesus apresenta e propõe, e ser fiel a esse projecto, experimentando continuamente a o sentido que essa Vida traz.

Estanislau, em particular, sentiu que a sua realização pessoal, o seu projecto de felicidade, passava pela vida na Companhia de Jesus. Existem outras formas de ser feliz como Jesus - uma por cada pessoa. Mas ignorar onde me sinto mais eu próprio, é mentir-me e adiar um estado esplêndido de vida.

A vida de Estanislau provoca-nos a não deixarmos para amanhã o imperativo cristão: Homem, sê fiel ao teu íntimo, onde a tua vontade é mais verdadeira.

Sem comentários: