16 de maio de 2012

Santo André Bobola


Jesuíta Polaco, nascido no final do século XVI, entrou para a Companhia de Jesus em 1611. Durante os primeiros tempos de sacerdote ficou conhecido pelo dom extraordinário que mostrava para a assistência espiritual de cada pessoa - aquilo que é conhecido como cura personalis, algo tão próprio da Companhia desde os seus inícios.  
Durante o tempo de duras perseguições à Igreja, André Bobola dedicou-se com enorme zelo ao crescimento e fortalecimento da fé católica. Nesta época, como em muitas outras, pregar a fé católica significava correr o risco de perder a própria vida. E assim aconteceu, quando, na invasão da Polónia pelos Cossacos, a 16 de maio de 1657 foi cruelmente martirizado por guardar até ao fim a fé que professava.

A caridade de André para com o próximo manifestou-se de modo singular, quando, em 1625, e de novo quatro anos mais tarde, a Polónia foi invadida por uma peste maligna. Fez-se tudo para todos; e, juntamente com alguns companheiros, deu brilhante exemplo de caridade heroica. Sempre de rosto alegre, desprezando o perigo de contágio, cuidava dos corpos doentes, mas sobretudo da salvação das almas
(das Cartas Decretais do papa Pio XI. 17 de abril de 1938)

1 comentário:

Anónimo disse...

O mesmo fazem os mártires de alá...

Também ficam com 7 virgens depois da morte?

Morrer por morrer, pelos menos que as 7 estejam do outro lado... ;)