14 de junho de 2012

Salvas-me a mim também


Cego: o incrível dom da vista,
mas cego perante tantas coisas…

Morto: tanta vida oferecida,
mas tantos momentos sem viver a fundo.

Traidor: o meu melhor amigo,
e em tantas ocasiões negado.

Juiz: tanta bondade sem preço,
e por tantas sem-razões julgado.

Testemunha indiferente: o milagre do teu só olhar,
e por tantos vãos motivos não implicado.

Incrédulo: tanta divindade manifestada,
e falto de fé por tantas vulgares ocupações.

Olho, e não vejo em mim mais do que outro espinho na tua coroa,
outra cruz sobre o teu ombro fadigado,
o que te nega três, e mil vezes…

E salvas-me a mim também,
a MIM:
cego, morto, traidor, juiz, indiferente, incrédulo…

Quem sou eu, para dares a Tua vida nesse madeiro?
O que te move de mim, que amas tanto, que Te das até ao fim?
Quem, para o milagre da Tua ressurreição?

Mudo, absorto e de joelhos, porque de outra forma não pode ser:
e Tu diante, Senhor, e eu contigo.


DIEZ, Miguel - “Me salvas a mi también”, in “Silencios guiados”, 2008 –Valladolid.


3 comentários:

Anónimo disse...

Vendem a alma ao satanás e pensam que tem o paraiso esperando...

Interesseiros os que querem ser salvos... não?

Só fazem as coisas pela avaliação de um deus ausente para serem salvos...

Pensam que estão com deus e acabam com o satanás... venderam a alma e agora o seu movimento (a alma) já é do satanás

Alice disse...

E salvas-me a mim também, a MIM...

É esta a verdade mais bela que pode dar sentido a qualquer vida vivida, ou ainda por viver!
E também de joelhos com Ele e diante Dele eu digo: "Meu Senhor e meu Deus"

Ivete disse...

"e não vejo em mim mais do que outro espinho na tua coroa" . O ato de arrepender-se e acreditar ser digno de perdão é muito difícil...que bom, que Ele consegue nos perdoar em toda sua glória.