22 de julho de 2012

a minha guerra com Deus










O nosso companheiro Jesuíta Nuno Branco foi ordenado sacerdote no passado dia 1 deste mês. Teve uma dura guerra com Deus e saiu vencido. Hoje, é um homem feliz e conta no seu blogue pessoal 'Toques de Deus', como foi essa guerra e como se sente hoje.

Ainda me lembro. Há uns anos atrás na estrada a caminho de Aveiro, a ouvir a Rádio Comercial. Ouvia-se dentro do carro, mas eu não ouvia. Estava ausente. Andava a perguntar a Deus que fazer da minha vida. Afinal, já tinha chegado à meta. Arquiteto formado, emprego assegurado, uma vida grande pela frente. Tão grande e insuficiente. Não chega. Há aqui qualquer coisa que não está a bater certo. Não consigo perceber o que falta.


Uns dias mais tarde, perguntei-me de forma envergonhada, sozinho e em silêncio para que nem eu próprio me ouvisse. Porque não ser padre?

Não me lixes a minha vida, se faz favor. Fui sincero com Deus. Abri-lhe o jogo. Não acredito na reincarnação, portanto a única vida que me resta não vou desperdiça-la e esbanjá-la dessa maneira. Deixa-te lá de histórias.

Ainda me lembro que negociei com Ele. Deixa-me casar, disse-lhe. Eu caso-me e depois tu levas os meus filhos todos p’ra padre e não se fala mais nisso. Ficas a ganhar. Tu e eu. Parece-te bem?

Mostrou-se convencido. No entanto, a palavra “padre” continuava a aparecer pior que uma noite mal dormida. A palavra “padre” parecia-me um insecto de sete vidas. Esmagado contra a parede, espezinhado. E sobrevive. E lá se levantava devagarinho, ressuscitava.

Senhor! Por favor, não me-lixes-a-minha-vida! É simples. Continuamos assim. Tu aí. Eu, aqui. Ninguém te chateia, eu acredito em ti na mesma. E tu não me chateias.

E agora Senhor cá estou de novo. A poucos dias de ser padre. E, desculpa a franqueza, mas continuas na mesma. Já te dei provas de que não sou propriamente a melhor pessoa deste mundo e que ao meu lado, haveria quem bem melhor poderia servir-te nesta missão. Não sei o que é ser padre. Não sei como se é padre. Mas, sei que quero ser Teu. Assim. Atabalhoadamente teu. É um grande risco, tu sabes. Mas, se isto correr mal a culpa - desculpa dizer-te - será tua. Eu avisei-te. Nunca te escondi o que sou e o que não sou. Só posso agradecer a tua bondade e a tua generosidade. Sou Teu e serei Teu.
E já agora que ninguém nos ouve, só mais uma coisa. É simples. Dá-me a graça e a alegria de ser padre até ao fim da minha vida. É isto que eu peço com sincera verdade.

7 comentários:

Anónimo disse...

“O fim principal do homem é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre”.

Francisco

Anónimo disse...

Mais um que percebeu que é melhor fazer parte do Clero que ser da plebe mas sendo arquitecto desempregado...
Quanto tempo é que esta sociedade vai aceitar o Clero? Portugal foi um dos que mais pagou para o Vaticano e a Concordata continua... eis um ponto do orçamento de estado a ponderar... bem como as centenas de fundações que deviam mostrar os seus planos de negócio e só com viabilidade é que deveriam ter apoio do estado...

Anónimo disse...

e o que nós todos, cristãos deviamos pedir era a graça de Deus por em nosso caminho pessoas como esta.Capazes de olhar e ver seu interior, de o percorrer sem medos de tropeçar, de exteriorar todos os seus receios e lutas mas tb toda a sua confiança no criador, naquele que nos escolhe para darmos testemunho,para corrermos riscos em seu nome. Que Deus lhe dê a graça que tanto pede sempre com fidelidade e de forma comprometida.
M. Lurdes

Nuno disse...

"Arquiteto formado, emprego assegurado, uma vida grande pela frente".

Anónimo disse...

Que continue, como disse, a sentir-se inteiro e inteiramente feliz! E liberto de tudo o que possa ser mais redutor e mesquinho. Precisamos de padres que amem as pessoas quando elas menos merecem.

Cisfranco disse...

Admiro a atitude deste jovem arquiteto que se fez padre. Que seja feliz! E que não venha a ter de se arrepender. Sim, porque a vida que é exigida aos padres, se não é heroísmo, anda lá perto. E sabemos como alguns sucumbem pelo caminho... Mas não é altura de falar disso. As maiores felicidades para o Pe Nuno! Que Deus o abençoe.

Anónimo disse...

Deus e enviou, Deus o protege. As raízes estão muito fundas. Está bem seguro no seu ministério.