19 de agosto de 2012

Gosta de viver num país laico?


Entrevista ao P. José Tolentino Mendonça publicada hoje no Diário de Notícias.

“Gosto de viver num país onde existe liberdade religiosa e existe liberdade. O laicismo é uma coisa diferente e, muitas vezes, há ainda um preconceito muito grande em relação à religião. Culturalmente, no nosso país, o cristianismo ainda tem um estatuto de menoridade cultural incompreensível. Porque tem sido uma fonte de cultura e construído  um património cultural que serve a todos. 

Uma coisa que me aflige é o facto de a teologia em portugal não ter direitos de ciência e que uma pessoa de cultura média não leia um livro de teologia, nem conheça o pensamento teológico. Muitas vezes, os próprios Cristãos não são capazes de entrar num debate religioso. A iliteracia que caracteriza em grande medida o catolicismo português é um dos seus grandes problemas.”

4 comentários:

António Parente disse...

Palavras sábias.

Anónimo disse...

"A iliteracia que caracteriza em grande medida o catolicismo português é um dos seus grandes problemas.”

Já o tinha lido no Diário de noticias da Madeira, e é como costume mais um excelente texto do P. Tolentino, que gosto sempre de ler.
A culpa da iliteracia é da Igreja ( hierarquia, pais, filhos, etc) que assiste com passividade o afastamento das pessoas da moral objetiva em Cristo Jesus (e das igrejas!)
e que tem obviamente efeitos em cascata nas gerações.
O redil foi subtil, e brutalmente invadido, e a meu ver a igreja assiste impávida e serena a esta situação, deixando as ovelhas sem pastor e a merce das ideologias destrutivas.
É claro que a apostasia e o aparecimento do ímpio foi profetizada, afinal..."Quando Eu vier será que encontrarei fé sobre a terra?"
Mas o principio da espera ativa que Jesus me ensinou vai no sentido de minimizar a mossa colossal que satanás tem provocado na humanidade, virando homem contra homem, fazendo-o viver sem a referencia comum-Jesus Cristo.

Me parece que a Igreja católica se tornou "elitista" por um lado, e bem, fazendo um debate a nível intelectual contra os inimigos do Senhor,
mas por outro lado, e mal, se esqueceu das massas ... e de informar, alertar e confrontar a palavra do Senhor com os tempos actuais dando aos cristãos as ferramentas para fazer o bom combate da fé.

Francisco

alfredo dinis disse...

Caro Francisco,

Obrigado pelo seu interessante comentário. Cada cristão tem uma parcela de responsabilidade na situação de 'iliteracia' a que se refere o P. Tolentino, e cada um tem algo a fazer, por muito pouco que seja.

Miguel Oliveira Panão disse...

Excelente conteúdo. Não sabia esta entrevista e a última parte pareceu particularmente pertinente. Há pensei no mesmo e veio-me ao pensamento: teologia nas escolas. Porque não? (http://cienciareligiao.blogspot.de/2012/08/nao-so-boa-ciencia-mas-tambem-boa.html)