31 de agosto de 2012

o desconhecimento faz mal (4)


Projecto Rabo de Peixe sabe sonhar
 
A meio do Atlântico, a oeste de Portugal, fica o destino daqueles que dedicam 15 dias do seu verão a partilhar a sua vida com as crianças de Rabo de Peixe. Ou este nome soa bizarro, ou é familiar para quem sabe que se trata da povoação mais pobre de Portugal e uma das mais pobres da Europa. Fica situada na Ilha de São Miguel, a cerca de 10 km de Ribeira Grande e 25 km de Ponta Delgada. Dos seus oito mil habitantes mais de metade vive em situação de real pobreza e miséria.

O projecto de voluntariado Rabo de Peixe Sabe Sonhar, nasceu pela iniciativa da Companhia de Jesus e reúne algumas dezenas de voluntários, na sua maior parte universitários dos Centros Universitários da Companhia – CUMN (Coimbra), CUPAV (Lisboa), CREU (Porto), CAB (Braga) –, com a ajuda de uma direcção, constituída fundamentalmente por leigos, e com a colaboração das Irmãs Criaditas dos Pobres, das Irmãs Escravas do Sagrado Coração de Jesus, das Irmãs da Caridade e de algumas entidades civis. São as crianças de Rabo de Peixe que os chamam, são as suas famílias que os tocam e desafiam. O desejo é o mesmo da conhecida sabedoria popular segundo a qual ajudar, mais que dar um peixe, é ensinar a pescar. Muito dinheiro é investido em Rabo de Peixe numa série de infra-estruturas, mas o essencial permanece por fazer: transformar as suas relações, marcadas pela injustiça e pelo sofrimento que males como a toxicodependência e o alcoolismo perpetuam, transformá-las em relações justas e construtivas, de pessoas livres, responsáveis e autónomas, tocadas e renovadas pelo amor. É esse amor que este projecto procura levar e partilhar, dar a conhecer a quem o tem muitas vezes ausente da sua vida. É desse modo que esperamos transformar a realidade, tantas vezes dramática, que lá encontramos.

A colónia de férias que organiza é, desde o início do projecto em 2004, o modo privilegiado de chegar às crianças, aquelas que nos merecem maior preocupação, e por elas às suas famílias, núcleos de tantas histórias de miséria, degradação e sofrimento. A Páscoa e o Natal são também ocasião para um grupo mais reduzido de animadores marcar presença através de outras actividades. Recentemente, estendemos as inscrições na colónia a crianças de outras povoações igualmente desfavorecidas de São Miguel: Lagoa e Peixe Assado. Ao longo do ano, cada núcleo do projecto procura, além de conseguir os meios para realizar a colónia de férias, divulgar o projecto e a realidade de Rabo de Peixe para que seja cada vez menos ignorada.
video



2 comentários:

Anónimo disse...

«mais que dar um peixe, é ensinar a pescar»
Qual é apenas um dos grandes males sociais hoje na educação dos jovens se não é esse?
Habituados e mal acostumados (na generalidade) a ter o essencial e o supérfluo sem saber o que custa realmente ter e sem valorizar o que realmente têm?

«Muito dinheiro é investido em Rabo de Peixe numa série de infra-estruturas, mas o essencial permanece por fazer: transformar as suas relações, marcadas pela injustiça e pelo sofrimento que males como a toxicodependência e o alcoolismo perpetuam, transformá-las em relações justas e construtivas, de pessoas livres, responsáveis e autónomas, tocadas e renovadas pelo amor»

E o que é o amor, se não é esse exemplo perfeito vindo do Mestre de Nazaré, plenitude da Lei, que nos ensinou a liberdade circunscrita pelo amor, nosso Deus, Nosso Senhor, resgatador e salvador que nos faz passar da vida para a vida, já nesta, e através da morte e ressurreição?

Ele, tão cuspido e rejeitado outrora como agora pelos ingratos, traidores, confundidos pela pretensa sabedoria e suficiencia humana?

A pedra que os contrutores rejeitaram é efetivamente a pedra mais importante.

Francisco

alfredo dinis disse...

Caro Francisco,
Obrigado pelo teu comentário tão construtivo e oportuno.