10 de março de 2013

(Lc 15,1-3.11-32)

Sem exclusão nem condenação!


Um abraço tão incondicional como contínuo.
Abraçado, libertado.

Tu e eu. Filhos pródigos.
Ele, simplesmente Pai.

1 comentário:

Anónimo disse...

Uma manifestação do Amor do Pai que sempre me sensibilizou. Torna mais fácil o meu percurso, porque descubro a força do abraço deste Pai amoroso quando não consigo corresponder ao Seu amor, quando me falta a coragem para Lhe dar o sim que me pede, quando me faltam as forças para O seguir, mesmo se dúvidas não tenho que é O único capaz de preencher a medida infinita do meu ser!