8 de dezembro de 2013




II Domingo do Advento
Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria

Ó Senhora imaculada, silenciosa,
de sorriso virginal,
frescura envolvida na canção formosa
do amanhecer inicial.

Senhora do vestido simples de graça
que íntima aurora Te deu,
florindo, sobre a luz da terra que passa,
à luz primeira do Céu.

Senhora, o teu celeste olhar de padroeira
floresça em nosso interior,
abrindo a senda da pureza verdadeira
que nos conduza ao Senhor.


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc. 1, 26-38)

Naquele Tempo, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma Virgem desposada com um homem chamado José. O nome da Virgem era Maria. Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo: «Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo». Ela ficou perturbada com estas palavras e pensava que saudação seria aquela. Disse-lhe o Anjo: «Não temas, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Conceberás e darás à luz um Filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-Se-á Filho do Altíssimo. O Senhor Deus Lhe dará o trono de seu pai David; reinará eternamente sobre a casa de Jacob e o seu reinado não terá fim». Maria disse ao Anjo: «Como será isto, se eu não conheço homem?». O Anjo respondeu-lhe: «O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o Santo que vai nascer será chamado Filho de Deus. E a tua parenta Isabel concebeu também um filho na sua velhice e este é o sexto mês daquela a quem chamavam estéril; porque a Deus nada é impossível». Maria disse então: «Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra».

Sou convidado a equacionar o tipo de resposta que dou aos desafios de Deus. Ao ver o exemplo de Maria de Nazaré, sou convidado ao acolhimento, com um coração aberto e disponível aos planos de Deus para mim.
Como ela, quais as mudanças/planos que sinto que Deus me pede que realize? Que silêncio confiante sou chamado a viver neste tempo de espera que o Advento propõe? Não tenho receio de me abrir ao Amor de Deus e conseguir dizer «eis o escravo do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra?».


Cantai ao senhor um cântico novo
pelas maravilhas que Ele operou.
A sua mão e o seu santo braço
Lhe deram a vitória.

O Senhor deu a conhecer a salvação,
revelou aos olhos das nações a sua justiça.
Recordou-Se da sua bondade e fidelidade
em favor da casa de Israel.

Os confins da terra puderam ver
a salvação do nosso Deus.
Aclamai o Senhor, terra inteira,
exultai de alegria e cantai.

3 de dezembro de 2013



A Jesus Crucificado
 
Não me move, meu Deus, para querer-te
O céu que tens prometido;
Nem me move o inferno tão temido
Para deixar por isso de Te ofender.

Tu me moves, Senhor.
Move-me o ver-Te cravado nessa cruz e escarnecido.
Move-me ver o Teu corpo tão ferido.
Move-me ver a tua agonia e a Tua morte.

Move-me, em fim, o Teu amor de tal maneira
Que, mesmo que não houvesse céu, eu amava-Te
E mesmo que não houvesse inferno, eu Te temeria.

Nada me tens que dar porque Te queira
Pois, embora o que espero não esperara,
O mesmo que Te quero Te quisera.