7 de abril de 2014

Valadier III - Antinomias da ação



A ação comporta antinomias, nem todas as escolhas são compatíveis ao mesmo tempo, é preciso existir aí sabedoria para reconhecer este limite e esta finalidade, «a existência histórica ´feita de combates duvidosos onde nenhuma causa é pura, nenhuma decisão é sem risco, nenhuma ação sem consequências imprevisíveis» (Raymond Aron), mas a sabedoria manda ao mesmo tempo que se fique atento a uma secreta complementaridade de valores entre elas, a não ser que se caia no unilateralismo cego ou no fanatismo.
A solução proposta consiste [falamos de Weber], vimo-lo a propósito do ensino universitário, em excluir da esfera pública as opções julgadas arbitrárias e a esse título virtualmente polémicas; mesmo se a palavra não for pronunciada, trata-se de uma laicidade exclusiva muito rigorosa, de que uma das consequências, que já notamos, rebaixa as opções filosóficas ou religiosas a uma escolha injustificável, privada, marginal. Ora, vimos também, se a ciência não é sem pressuposto, pode um ensinamento sê-lo? Em matemáticas talvez, mas com a condição de se cingir a um ensino que passa em silêncio a história da disciplina, as hipóteses ou teorias diversas, assim como os seus fundamentos filosóficos, o lento trabalho sobre as opções que presidiram e presidem à evolução desta ciência, reduzindo em breve esta disciplina a um saber morto, condensado em resultados incontestáveis, apresentados como dados que se impõe por si próprios. E que dizer então de um ensino em história ou em biologia? Mostrar aos estudantes os pressupostos destas disciplinas nada tem a ver com a introdução das opções partidárias do professor e não transforma um anfiteatro em tribuna de conferências. Fazer esse trabalho é muito simplesmente dar ao ensino toda a sua dimensão e a sua profundidade que um «laicismo» intransigente reduz a uma «matéria» inerte da qual o estudante não tem as chaves de constituição e do desenvolvimento. Mas como fazê-lo sem expor os valores e as crenças que presidiram à história e ao progresso dessas disciplinas?

Sem comentários: